Inadimplência no mercado de crédito sobe a 5,6% em março, diz BC


A inadimplência no Brasil teve novo avanço em março no segmento de recursos livres, a 5,6%, mais uma vez renovando o recorde da série histórica do Banco Central iniciada em 2011, em meio à deterioração da economia e aumento do desemprego.

Em fevereiro, a taxa havia ficado em 5,5%, informou o BC nesta quinta-feira (28).

Recentemente, a autoridade monetária havia informado que os aumento dos calotes neste ano traria consequências para o balanço dos bancos, com aumento das provisões e achatamento de margens, cenário que deverá afetar especialmente as instituições públicas.

Pressionados pela inflação e desemprego elevados, parte dos consumidores têm enfrentado dificuldades para honrar suas dívidas, cujos juros também têm ficado mais altos.

O BC informou ainda que no segmento de recursos livres, em que os empréstimos têm taxas definidas livremente pelas instituições financeiras, os juros médios cresceram a 50,9% ao ano, patamar mais alto da série, contra 50,6% por cento em fevereiro.

Já o spread bancário –diferença entre o custo de captação e a taxa cobrada pelos bancos ao consumidor final– subiu a 37,3 pontos percentuais em março, sobre 35,8 pontos no mês anterior.
O estoque total de crédito no país teve retração de 0,7% em março sobre fevereiro, a R$ 3,161 trilhões, ou 53,1% do Produto Interno Bruto (PIB). No acumulado do primeiro trimestre, houve queda de 1,8%.

No mês passado, o BC piorou sua estimativa para o desempenho do mercado de crédito este ano, passando a ver expansão de 5 por cento do estoque em 2016, contra percentual de 7% anteriormente.

Se confirmado, este será o pior desempenho registrado pelo país em 12 meses desde o início da série histórica do BC, em março de 2007.

Na noite passada, o BC também manteve a taxa básica de juros em 14,25% ao ano.

Deixe uma resposta