Endividamento e inadimplência superam índices registrados no pico da pandemia


Levantamento da Serasa Experian aponta mais de 65 milhões de inadimplentes em março, envolvendo dívidas que, somadas, chegam a R$ 265,8 bi 

Pelo segundo mês seguido, indicadores explícitos dos tempos difíceis enfrentados pelo brasileiro assumem proporções acima das registradas no auge da crise sanitária.

Ao mesmo tempo em que o volume de inadimplentes atinge a marca de 65,69 milhões, o montante geral de dívidas supera em R$ 7,5 bilhões o teto atingido naquele momento.

Individualmente, cada pessoa nesta situação deve, em média, R$ 4.046,31, outro dado que prossegue em franca ascensão.

Em termos etários, a maior concentração de casos se encontra na faixa dos 26 a 40 anos (35,2%), seguida pelo grupo de pessoas com idades variando de 41 a 60 anos (34,9%).

As mulheres, por sua vez, já ultrapassam ligeiramente os homens neste particular, com 50,2% das ocorrências, contra os 49,8% representados pelo contingente masculino que atualmente encontra dificuldade em saldar seus compromissos financeiros.

Fonte: Valor Econômico