Comércio projeta queda de 3,6% nas vendas a prazo no Dia das Mães


Vendas devem apresentar resultado negativo pelo segundo ano. Projeção reflete a economia em desaceleração e a baixa confiança com o poder de compra do consumidor

Diante do atual cenário de baixa atividade econômica e restrição ao crédito, o volume de consultas para vendas parceladas na semana anterior ao Dia das Mães deste ano (entre 3 e 9 de maio) deve cair 3,6% em relação aos sete dias que antecederam a mesma data comemorativa no ano passado. A projeção foi traçada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). Se as expectativas se confirmarem, as vendas a prazo devem apresentar a segunda queda consecutiva em seis anos de série histórica. Em períodos anteriores, as variações foram de -3,55% (2014), +6,44% (2013), +4,40% (2012), +6,53% (2011) e de +9,43% (2010). O número é calculado com base na quantidade de consultas feitas ao banco de dados do SPC Brasil para compras a prazo em todo o território nacional. O Dia das Mães é considerado pelos lojistas a segunda melhor data para o comércio tanto no volume de vendas como no faturamento, ficando atrás apenas do Natal.

Apesar de o Dia das Mães ser comemorado sempre no segundo domingo de maio – momento que coincide com o alívio financeiro sentido por grande parte dos  consumidores com a quitação de impostos de início de ano e com o pagamento das despesas do natal, das férias e da volta às aulas – a atual conjuntura econômica de inflação elevada, juros em alta e dólar valorizado tem pesado no poder de compra dos brasileiros e deve criar dificuldades para a retomada do crescimento do varejo.

Para o presidente da CNDL, Honório Pinheiro, a projeção da entidade leva em conta o baixo grau de confiança do empresário brasileiro com os rumos da economia já que os consumidores tem se deparado com o enfraquecimento do poder de compra e o encarecimento das parcelas por conta da alta nas taxas de juros. “Os lojistas amargaram o pior resultado dos últimos seis anos nas vendas da Páscoa e não esperam um desempenho diferente agora no Dia das Mães em relação às compras parceladas”, explica.

Deixe uma resposta