Business Revolution 2019 especial – 2º dia


Na semana passada fizemos um resumo do que foi o primeiro dia do Business Revolution edição 15 anos. Hoje vamos tentar resumir – porque o segundo dia foi repleto de conteúdos – como foi o dia 24 de outubro, o último dia do evento.

Os conteúdos foram divididos em seis salas distintas. Os principais temas relacionados à crédito e cobrança, dados, digital, b2b, Inovação Financeira e Meios de pagamento foram amplamente discutidos com os mais de 100 oradores desse segundo dia.

Acompanhe aqui a cobertura desse segundo dia, pela ótica do Blog Televendas & Cobrança.

Na sala Digital, alguns dos temas abordados foram a transformação digital, digital voice e marketing digital. Já a sala C&C teve o conteúdo voltado para o mercado de crédito e cobrança, desde a importância do crédito na recuperação da economia brasileira até soluções de desintermediação bancária na concessão de crédito digital. “Antes, o governo tinha muito poder de influenciar a economia. O papel do estado agora deixa de ser o de um grande incentivador de crédito”, observou Ewerton Chaves, diretor de negócios digitais do Banco Original.

Na sala Dados não deu outra: Big Data. E teve espaço para todo tipo de abordagem, desde o uso de dados para vender mais, credit scoring, Lei de Proteção de Dados, dados não estruturados e até blockchain.

Mercados que, inicialmente não compunham a programação do evento, ganharam espaço na programação, graças à atuação cada vez mais tecnológica que apresentam. É o caso das Rhtechs, que trouxe novas formas de gerenciar colaboradores. Health e os investimentos de big players na área da saúde, além dos novos caminhos que a educação está traçando graças com o avanço de tecnológico, também estrearam no CMS.

Mas as grandes protagonistas desta edição foram, sem dúvidas, as fintechs. Primeiro porque estes novos modelos de negócio foram citados na maioria das apresentações do evento. Segundo porque as fintechs ganharam a própria programação na sala Fin&Pay, em que os palestrantes apontaram tendências e fizeram uma série de provocações, a fim de estimular a criação para uma série de oportunidades para problemas ainda não resolvidos – a exemplo do SuperApp, modelo que domina o mercado chinês e integra praticamente todas as necessidades das pessoas, mas que não foi exitoso nos Estados Unidos e Europa até o momento.

As fintechs estão conquistando tanto o mercado que ganharam até espaço físico nesta edição. Na Arena Fintechs e Startups, 19 empreendedores puderam mostrar suas soluções a grandes players. “Foi uma grande oportunidade de apresentar suas soluções para grandes players do mercado”, avaliou Janderson Lopes Veloso, analista de sistemas e negócios do BMG UpTech.

Janaína Ferreira, líder de Operações da Magnet Customer, uma das startups que receberam investimento da BMG UpTech e tiveram a oportunidade de participar do CMS, contou que a experiência foi bastante proveitosa para a empresa, tendo em vista que foi a primeira vez que ela pôde apresentar soluções para um mercado diferente do automotivo. “Conseguimos entender pontos de aperfeiçoamento, problemas que conseguimos solucionar com a plataforma, então foi bem positivo. Também fizemos contato com pessoas bem interessantes. Não chegamos a fechar negócio, mas abriram-se bastante portas. Acredito que futuramente vamos colher sim algum negócio que surgiu no evento.”

Fintechs e palestrantes puderam até propor soluções para grandes players do mercado no hackathon realizado no Open Innovation Arena. Sicredi, BV Financeira, SKY, Credigy, Marisa, Banco Carrefour, Banco Volkswagen e Banco Honda apresentaram problemas reais das empresas e receberam diversas propostas.

Na avaliação de Priscila Nunes, CX de Recuperação de Crédito da BV Financeira, as propostas recebidas ainda precisam de mais proximidade com o consumidor. “As reuniões foram boas, mas os empreendedores pensaram muito na tecnologia, não no cliente. Não são ideias ruins, mas neste momento não conseguem nos atender.”

Mariana Poletto, gerente de marketing da Aspect, comenta. “A edição foi muito positiva para negociação, graças ao modelo mais aberto. As pessoas conseguiram se posicionar melhor para fazer negócios”, apontou.

Paulo André Araújo, CX da BV Financeira, observou que a programação do ano estava bastante interessante, mas considerou que as palestras tinham muito conteúdo e relevância para serem apresentadas em pouco tempo.

Já para Bruno Cedaro, diretor executivo da PontalTech, a Open Innovation Arena foi um dos destaques. “Foi legal ter o encontro de dor, problemas e inovação. Os totens de startups acrescentaram bastante para o evento, e este grande encontro pôde gerar parcerias”, finalizou.
Na próxima semana falaremos sobre as dinâmicas novas dessa edição, a cobertura completa do Prêmio Best Performance e ainda lançaremos com exclusividade para o leitor do portal Best Performance as datas do Business Revolution 2020!

Veja aqui o registro de fotos do segundo dia:
https://www.facebook.com/pg/cmsforumbrasil/photos/?tab=album&album_id=10155730127247609

Deixe uma resposta