As palestras mais disruptivas de 2018!


Acompanhe aqui conteúdos e registros das palestras do CMS Business Revolution.

A abertura foi realizada pelo presidente da CMS Pablo Salamone, que deu as boas vindas ao público no auditório completamente lotado. Na ocasião, ele explicou que o dia todo seria de plenárias e que, portanto, as 4 salas (cantareiras 1,2,3,4) estariam unidas. Logo em seguida, o orador Arthur Igreja encantou a plateia com as projeções “econômicas em um mundo digital”, trazendo à tona questões importantes principalmente no que tange à inovação de empresas com foco no cliente. Finalizou a palestra dizendo que, a despeito da AI, das IOTs, PESSOAS SIM IMPORTAM.
Confira o video aqui.

Logo em seguida, subiu ao palco do CMS Business Revolution o head da Stefanini, Victor Hugo Alves, falando sobre serviços financeiros no futuro. Ele traçou o paralelo das tendências disruptivas que mudarão ainda mais o mercado; além disso, provocou a plateia com a pergunta: fintechs ou gigantes da tecnologia – quem vai sair na frente desse jogo? Ainda, foi categórico ao dizer “Se você não investe em inovação, você não tem o continue, não pode dar sequência. E inovação não precisa necessariamente ser algo absurdo, mas a implementação de uma nova prática”.

O primeiro painel do Business Revolution foi especialmente escolhido pois levava consigo o tema do evento neste ano. “Com a palavra, o cliente” foi moderado por Marcelo Pimenta e contou com as preleções de Fernando Moulin (Telefônica), Daniel Stephens (Mercado Livre) e Wellington Santos (WeCash). Na discussão, os painelistas explicaram como suas empresas e o mercado estão se preparando para a metamorfose dos negócios na era digital.

Hoje, se recebemos uma reclamação no atendimento, certamente ela será analisada a fundo para que o cliente tenha sua questão resolvida e da melhor forma, afinal, ele está em primeiro lugar. Precisamos ver o cliente como o principal agente da era digital” – Wellington Santos

Temos várias práticas em todo o mercado. A transformação digital possibilitou que novas possibilidades surgissem, portanto é preciso estar ligado em tudo isso, extrair o seu melhor, se adaptar para se manter no novo mercado de negócios” – Fernando Moulin

Mesmo com os chatbots, por exemplo, o fator humano ainda é extremamente importante. Há clientes que não gostam das ligações, mas, em contrapartida, há quem goste. Precisamos buscar qual o contato ideal para cada cliente. Individualizar o atendimento ainda é primordial”. – Daniel Stephens

Iniciando os trabalhos vespertinos, o futurista, professor e ex-cientista da IBM Fábio Gandour não deixou a plateia parada e promoveu uma verdadeira tempestade de ideias, projetando os impactos da revolução digital e tecnologias (AI, inteligência cognitiva, machine learning e chatbots) na eterna busca por encantar clientes.

O futuro do trabalho na era exponencial partindo de um novo mindset organizacional foi o pano de fundo da palestra de Oliver Kamakura, Partner da EY. Segundo ele, os novos consumidores exigem de empresas um novo perfil de equipe e liderança.

Claudia Vale da FLWOW e EID Institute fez um raio-x do cliente atual e deu excelentes exemplos de empresas que estão focadas em impactar a experiência do consumidor, em especial, com estratégia multicanal.

Luiz Calado, presidente da Abcripto, foi especialmente convidado para tratar de Blockchain e a força dos criptodados. Citou um futuro bem próximo no qual tokens vão mudar a forma de consumir de inúmeros mercados e explicou como as empresas precisam se preparar para isso.

Um dos momentos mais esperados do primeiro dia de evento foi o painel Cobrança 5.0, resultado direto do Focus Experience, uma atividade do CMS Business Revolution 2018 que uniu players importantes do mercado para projetar um novo modelo de negócio e como criar novas oportunidades. No primeiro momento, participaram Marcelo Marcílio, gerente departamental de Recuperação de Crédito, do Bradesco; e Rodrigo Mourato, superintendente de Cobrança do Banco Itaú-Unibanco. Depois, participaram da apresentação Elane Cortez, diretora de Desenvolvimento Corporativo, da CMS; Luís Carlos Bento, presidente do Instituto GEOC e CEO do Grupo Intervalor; e Roberto Gois, diretor de Desenvolvimento de Novos Negócios, da Acordo Certo.

Deixe uma resposta